Sintomas

Tempo de leitura: 1 minuto

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS E EXAME FÍSICO

Pode se apresentar de várias formas, desde pacientes assintomáticos a sintomas como tosse crônica, falta de ar, expectoração purulenta (tosse cheia com catarro amarelo-esverdeado) e até mesmo tosse com sangue em alguns casos.

Muitas vezes ocorrem períodos de piora importante dos sintomas, caracterizados pelo aumento do volume e do aspecto purulento da expectoração. Esses episódios são chamados de exacerbação pulmonar e devem ser tratados com cursos de antibióticos.

No exame físico, é comum o médico ouvir sons pulmonares alterados como a presença de chiado no peito (sibilos) e roncos pulmonares que estão relacionados com a presença de secreção no interior dos brônquios.

Os pacientes também podem apresentar baqueteamento digital em estágios mais avançados da doença que é uma alteração do aspecto das unhas que ficam com um formato parecido a de uma baqueta de tambor.

Por se tratar de uma alteração pulmonar que pode decorrer de diversas outras doenças, é importante atentar-se a manifestações das outras doenças subjacentes. Diante disso, manifestações articulares podem sugerir doenças auto-imunes e presença de sinusopatia crônica podem favorecer diagnósticos como fibrose cística ou discinesia ciliar (2).

Dr. Rodrigo Athanazio CRM 122656 – Médico Assistente – Disciplina de Pneumologia
Grupo de Doenças Obstrutivas (Asma, DPOC, Bronquiectasia e Fibrose Cística)
Instituto do Coração – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Diretor de Publicação da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia
Editor-chefe do Pneumologia Paulista.

Dra. Samia Rached CRM 116126 – Médica Assistente – Disciplina de Pneumologia
Grupo de Doenças Obstrutivas (Asma, DPOC, Bronquiectasia e Fibrose Cística)
Instituto do Coração – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *